quarta-feira, 30 de abril de 2014

Das incongruências da vida

Já era um senhor. Ao menos aparentava ser. Caminhando, cabeça baixa encoberta pelo boné que não escondia as marcas do sol. Devia ter 60 anos, se o trabalho diário na terra não o envelheceu precocemente. Procurava um caminho, parecia desnorteado.

- Onde fica a avenida principal? – me interrompeu se apressando em emendar o boa tarde esquecido. Estávamos em Petrolina, algumas dezenas de avenidas principais.

- Aquela que dá pra Lagoa Grande – completou entendendo minha confusão.

- Senhor, é um pouco longe daqui.

- Disseram que eu tinha que andar uns 20 quilômetros. Sabe onde fica a Serra da Santa? Depois de lá um pouco. Preciso avisar a pai a morte de minha “véa” – a cabeça baixou-se ainda mais, pingando lágrimas de um choro desavergonhado.

- 92 anos, foi atropelada – a voz embargada parecia pedir um abraço, queria desabafar a tristeza aprisionada pela falta de recursos. Não podia apenas chorar “sua véa”.

- O dinheiro que tinha paguei um aviso no rádio. Mas pai não ouviu, não apareceu até agora. Então eu disse, fique aí minha irmã, que eu vou caminhando. Devo chegar lá umas oito horas da noite. Tentei uma van pra Lagoa Grande, disse que pagava quando chegasse no projeto, mas não deixaram – baixou novamente a cabeça. Lamentava a falta de confiança.

- Pai tem que saber – chorava, o coração nos olhos vermelhos.


Não sei quem era o senhor, a senhora morta ou ao menos se “pai” soube. Não sei de que localidade do interior de Juazeiro tinha saído apressado para tentar levar uma notícia desagradável. Não sei se ele conseguiu chegar ao projeto de irrigação próximo a Serra da Santa, na BR 428, zona rural de Petrolina. Mas sua tristeza ficou ali parada, mesmo depois de que partiu, tentando achar explicações para tantos descaminhos da vida. 

3 comentários:

  1. Muito bom, Inês!!! A maneira que você escreve é massa mesmo, textos deliciosos de ler. Estou fã do blog. Já está nos favoritos aqui!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Otavio! Não sabe o quanto fico feliz!

      Excluir
  2. A curiosidade de saber o fim da história!

    Ps.:
    Em todo comentário, seu blog me lembra que n sou um robô!!

    ResponderExcluir